De que forma podemos acompanhar uma sociedade ultra-conectada sem perder de vista a nossa real personalidade, o pouco que nos resta da privacidade, o nosso equilíbrio e moderação?